Mídia Alternativa

Em 1964, com o golpe sobre João Goulart, foi instaurada no Brasil a ditadura militar; fase onde a censura e a exclusão de alguns dos direitos institucionais dos cidadãos foi estabelecida. O regime durou 21 anos, até ser extinto em 1985. Vários artistas, jornais, movimentos e partidos políticos que não se alinhavam com os militares foram perseguidos, alguns inclusive obrigados a se exilar para não serem presos no Brasil. Eis que surgem os Atos Institucionais, os AI’s, que nada mais eram que mudanças súbitas na constituição brasileira de acordo com o interesse militar.¹

O principal e último deles, o AI-5, promulgado em 13 de Dezembro de 1968, foi o mais severo dos atos. Nele foram abolidos mecanismos constitucionais previstos na constituição de 1967 e é revigorado o poder militar autoritário.

Pouco antes, também em 1967, foram sancionadas duas leis que impediam a liberdade de expressão verbal e oratória: A Lei de Imprensa (09/02) e a Lei de segurança nacional (13/03).² Leis que fizeram a classe jornalística dissidente sofrer perseguições e ter seu conteúdo controlado pelas agências do governo. Sem a liberdade, vários jornais-tablóides surgiram na informalidade contra todas as formas de censura. Nomes como Pato Macho (1971), O Pasquim (1969) – que abordaremos com mais destaque -, Movimento (1975), Coojornal (1975), Flor do Mal, etc… Iniciaram-se durante o fim dos anos 1960 e começo dos anos 1970 com o objetivo de protestar contra a falta da liberdade. Alguns deles tiveram vida curta, sem dar lucro a seus idealizadores. Dentre esses, muitos inclusive nem tinham o propósito capitalista.² Mas outros marcaram época e a geração dos anos 70 ³.

“O Pasquim” de 14 de janeiro de 1971

Fonte:  https://caminhosdojornalismo.files.wordpress.com/2011/05/pasquim14de01de19711.jpg?w=223 (Acesso em 19 de Maio)

“Coojornal”

Fonte: http://sul21.com.br/jornal/wp-content/uploads/2010/12/coojornal.jpg (Acesso em 19 de Maio)

O primeiro “Flor do Mal”

Fonte:  (Acesso em 19 de Maio)

“Pato Macho”

Fonte: https://caminhosdojornalismo.files.wordpress.com/2011/05/anexog.jpg?w=225 (Acesso em 22 de Maio)

 

REFERÊNCIAS

¹(http://www.infoescola.com/historia/censura-no-periodo-da-ditadura/) Acesso em 4 de Maio de 2011

²KUCINSKI, Bernardo. Jornalistas e Revolucionários. São Paulo: Scritta, 1991. (p. 1-23 / 151-174)

³(http://www.infoescola.com/historia-do-brasil/jornalismo-na-ditadura-militar/) Acesso em 4 de Maio de 2011

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=25321 Acesso em 7 de Maio de 2011

Anúncios
Esta entrada foi publicada em produtos impressos. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s