José Carlos Amaral Kfouri, conhecido como Juca Kfouri nascido dia 4 de março de 1950 na cidade de São Paulo, e é um dos mais bem conceituados jornalistas esportivos do país.

Seu primeiro emprego foi na Editora Abril, onde trabalhou, em 1970, no Departamento de Documentação. Já em 1974, foi convidado pela Revista Placar, para trabalhar como chefe de reportagem e aceitou prontamente. Permaneceu no cargo até o ano de1978, e foi para a antiga TV Tupi, onde trabalhou somente três meses e, em razão dos atrasos nos salários, pediu demissão. Quase que imediatamente foi convidado para se tornar editor de projetos especiais da Editora Abril. Ele ocupou também o cargo de diretor de redação da Revista Placar (revista pertencente à Editora Abril).

Em 1982, ficou muito conhecido por participar da publicação de uma famosa matéria denunciava a “Máfia da Loteria Esportiva”, na qual, jogadores eram coagidos a manipular os resultados dos jogos, favorecendo os apostadores interessados. Tal matéria quase ganhou o “Prêmio Esso” de jornalismo daquele ano, entretanto não foram somente frutos que foram colhidos com essa famosa reportagem, Juca chegou a ser ameaçado com telefonemas anônimos. O jornalista sempre foi fascinado pelo trabalho investigativo e essa característica inovou o jornalismo esportivo, pois poucas vezes, na história da imprensa esportiva brasileira, houve investigação no esporte. Juca deixou a diretoria da Revista Placar e a Editora Abril no ano de 1995, por discordar de políticas da empresa e por ter sido proibido de fazer denúncias contra Eduardo José Farah e Ricardo Teireixa, pois a empresa, aparentemente, precisaria do apoio dos cartolas.

Na televisão, Juca teve uma rapida passagem como diretor de esportes da TV Tupi em 1978, Em 1982 foi comentarista da Record até 1984, quando foi trabalhar no SBT, onde ficou até 1987. De1988 a 1994 trabalho na Rede Globo. Fez parte do programa “Cartão Verde”, da Rede Cultura, em companhia de Flavio Prado, José Trajano e Armando Nogueira, de 1995 e 2000. Foi contratado pela RedeTV para ser apresentador do programa “Bola na Rede”, onde permaneceu entre 2000 e 2003. Neste ano, voltou ao programa “Cartão Verde”, onde ficou de2003 a2005, ano no qual foi contratado pela ESPN Brasil para participar do programa “Linha de Passe”, onde ainda trabalha. Ainda na ESPN – porém, dessa vez, na internacional – iniciou um programa de entrevista, o “Juca Entrevista”, em 2007, que também está no ar até hoje.

Trabalhou em jornais, sendo colunista de futebol do jornal O Globo (de1989 a 1991), também foi colunista da Folha de São Paulo (de1995 a1999), quando foi para o diário Lance, onde ficou até retornar à Folha de São Paulo em 2005. Juca tem um famoso blog no portal UOL que ja ultrapassou 140 milhoes de visitas.

Foi comentárista esportivo em Rádio também. Inicialmente trabalhou na Rádio América. Depois, foi para a rede CBN de rádio, apenas como comentárista. Porém, em 2000, tornou-se apresentador do “CBN Esporte Clube”, onde permanece até os dias atuais.

Juca Kfouri, pela longa carreira, pela quantidade de veiculos que trabalhou e ainda trabalha, e principalmente pela contribuição que deu a jornalismo esportivo e ao esporte em si, podemos considerá-lo, sem dúvida alguma, um jornalista que fez história.

 

Publicado em Juca Kfouri | Publicar um comentário

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nascido em Barra Bonita, em 27 de setembro de 1928, Fiori foi um dos maiores nomes do jornalismo esportivo brasileiro. O recordista dentre os jornalistas em termos de Copa do Mundo, foi o único que transmitiu jogos de 10 copas do mundo. Foi homenageado com 162 títulos de cidadão honorário (a maioria em cidades do interior de São Paulo). Faleceu um dia antes do início da copa do mundo de 2006, recebendo uma homenagem de Galvão Bueno, que no primeiro jogo da copa, iniciou a transmissão com a famosa frase de Fiori: “abrem-se as cortinas e começa o espetáculo”.

Com 4 anos de idade, mudou-se com sua família para Lins. Por volta dos 12 anos de idade, ele já acompanhava os jogos, conhecia formações dos principais times do país, colecionava “A Gazeta Esportiva” e “O Mundo Ilustrado”. Começou a trabalhar com jornalismo no “Correio de Lins”. Conseguiu mudar para a rádio local, escrevendo o texto do programa “A Marcha do Esporte”. Mas seu desejo de transmitir futebol falava mais alto e, de tanto insistir, conseguiu convencer seus patrões de participar das transmissões de futebol.

Em 1952, Fiori aceitou um convite da rádio Bandeirantes, onde teve sua primeira experiência internacional, no Perú, completando a equipe do narrador titular Edson Leite. Em 1953, iniciou suas narrações, entretanto, era o segundo narrador da rádio e também repórter de campo. Com a vinda de Pedro Luiz, da Panamericana (versão antiga da Jovem Pan), foi rebaixado para terceiro narrador. Assim, a rádio Panamericana convidou Fiori para ser o narrador titular, e ele aceitou prontamente. Fiori demonstrou toda sua qualidade e havia começado a jornada de Fiori a caminho da imortalidade.

Em 1963 voltou à rádio Bandeirantes, onde permaneceu até 1995 como narrador titular absoluto. Aos poucos, ele foi impondo seu estilo de narração, e criando seus famosos bordões, que ele mesmo considerava um diferencial: “Abrem-se as cortinas e começa o espetáculol…” “O tempo passa…” “Tenta passar, mas não passa!” “Crepúsculo do Jogo” “Agüenta coração!” “Uma Beleeeeza de Gol!” “Um beijo no seu coração” “É fogo, é gol”.

Homenagem do Museu do Futebol, um dos principais narradores do Brasil:

http://www.youtube.com/watch?v=iFt8pTKcMPQ

Como estudioso do futebol, foi destaque no filme “Pelé Eterno”:

http://www.youtube.com/watch?v=08egsoBqrDg

Publicado em Fiori Gigliotti | Publicar um comentário

Mídia Alternativa

Em 1964, com o golpe sobre João Goulart, foi instaurada no Brasil a ditadura militar; fase onde a censura e a exclusão de alguns dos direitos institucionais dos cidadãos foi estabelecida. O regime durou 21 anos, até ser extinto em 1985. Vários artistas, jornais, movimentos e partidos políticos que não se alinhavam com os militares foram perseguidos, alguns inclusive obrigados a se exilar para não serem presos no Brasil. Eis que surgem os Atos Institucionais, os AI’s, que nada mais eram que mudanças súbitas na constituição brasileira de acordo com o interesse militar.¹

O principal e último deles, o AI-5, promulgado em 13 de Dezembro de 1968, foi o mais severo dos atos. Nele foram abolidos mecanismos constitucionais previstos na constituição de 1967 e é revigorado o poder militar autoritário.

Pouco antes, também em 1967, foram sancionadas duas leis que impediam a liberdade de expressão verbal e oratória: A Lei de Imprensa (09/02) e a Lei de segurança nacional (13/03).² Leis que fizeram a classe jornalística dissidente sofrer perseguições e ter seu conteúdo controlado pelas agências do governo. Sem a liberdade, vários jornais-tablóides surgiram na informalidade contra todas as formas de censura. Nomes como Pato Macho (1971), O Pasquim (1969) – que abordaremos com mais destaque -, Movimento (1975), Coojornal (1975), Flor do Mal, etc… Iniciaram-se durante o fim dos anos 1960 e começo dos anos 1970 com o objetivo de protestar contra a falta da liberdade. Alguns deles tiveram vida curta, sem dar lucro a seus idealizadores. Dentre esses, muitos inclusive nem tinham o propósito capitalista.² Mas outros marcaram época e a geração dos anos 70 ³.

“O Pasquim” de 14 de janeiro de 1971

Fonte:  https://caminhosdojornalismo.files.wordpress.com/2011/05/pasquim14de01de19711.jpg?w=223 (Acesso em 19 de Maio)

“Coojornal”

Fonte: http://sul21.com.br/jornal/wp-content/uploads/2010/12/coojornal.jpg (Acesso em 19 de Maio)

O primeiro “Flor do Mal”

Fonte:  (Acesso em 19 de Maio)

“Pato Macho”

Fonte: https://caminhosdojornalismo.files.wordpress.com/2011/05/anexog.jpg?w=225 (Acesso em 22 de Maio)

 

REFERÊNCIAS

¹(http://www.infoescola.com/historia/censura-no-periodo-da-ditadura/) Acesso em 4 de Maio de 2011

²KUCINSKI, Bernardo. Jornalistas e Revolucionários. São Paulo: Scritta, 1991. (p. 1-23 / 151-174)

³(http://www.infoescola.com/historia-do-brasil/jornalismo-na-ditadura-militar/) Acesso em 4 de Maio de 2011

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=25321 Acesso em 7 de Maio de 2011

Publicado em produtos impressos | Publicar um comentário

O Pasquim

‘O Pasquim’ nasceu no Rio de Janeiro e foi o tablóide de maior destaque durante a repressão militar. Teve grande aceitação, e vendia no auge cerca de 250 mil exemplares. Durou de1969 a 1988 (auge de 1969 e 1973). Entre seus fundadores está Millôr Fernandes, Jaguar, Paulo de Francis e Tarso de Castro. O jornal noticiava as questões mais sérias com relação ao Brasil e ao mundo de modo bem-humorado e irreverente.

Com o estilo original de propor soluções, lutar por um país justo e rir da própria desgraça em forma de protesto; o jornal ainda colocava em discussão temas como divórcio, sexo, feminismo, bossa nova e cinema. Assuntos que ultrajavam os costumes da sociedade da época, rígida, já que encontravam-se em pleno auge do regime militar brasileiro. Nesse tom desafiador, Ivan Lessa, um dos colaboradores do jornal, bolou uma frase que marcou época no semanário: “Os políticos são os únicos seres humanos capazes de passar direitos ao processo de repensar sem fazer escala no de pensar”; referindo-se ao autoritarismo militar.¹

O jornal partiu de uma tiragem de 20 mil exemplares no momento de sua criação. Quantidade que parecia, inclusive, excessiva para alguns dos idealizadores. Porém o semanário no tempo de auge chegou a ter uma tiragem de 250 mil exemplares, como já dito. Número este, que comprova o sucesso d’O Pasquim’ durante a parte mais dura de repressão, o início da década de 1970.

Já na primeira edição, lançada em 26 de Junho, foi feita uma entrevista com o colunista social Ibrahim Sued – matéria da capa – além de conter textos da atriz Odete Lara, direto do festival de Cannes; e do compositor Chico Buarque (Ver imagem). O jornal daquele dia também continha a seguinte frase em destaque: “É um semanário executado só por jornalistas que se consideram geniais”.¹ Era explicitamente um jornal que batia, em sua ideologia, de frente com a rigidez militar. Mais ainda, confrontava os padrões tradicionais da imprensa oficial, outro motivo pelo qual marcou época.

O primeiro “O Pasquim”

Fonte: https://caminhosdojornalismo.files.wordpress.com/2011/05/pasquim01.jpg?w=230 (Acesso em 19 de Maio)

O jornal ainda possuía um mascote. Um rato chamado ‘Sig’, em referência a Sigmund Freud, o fundador da psicanálise. Ainda dentro da irreverência do semanário, a invenção de palavras/expressões como “Putz Grila”, “Duca” e “Sifu”. Linguagem logo incorporada pela classe publicitária e pela oralidade, algo que perdura até os dias de hoje.

Sig

Fonte: https://caminhosdojornalismo.files.wordpress.com/2011/05/ratinhopasquim.jpg?w=198  (Acesso 19 de Maio)

Logicamente o regime não ficou parado com tamanhas críticas e ultrajes providos pelo jornal. Chegou a inclusive colocar uma bomba dentro da redação d’O Pasquim’, depois de divulgada uma entrevista com Leila Diniz cheia de palavrões e livre de auto-censura por parte dos jornalistas. Inclusive, de tantos palavrões os próprios redatores por vezes colocavam um * no lugar, logicamente, sem prejuízo na leitura. A bomba acabou não explodindo por defeito.²

O governo também chegou a realizar cortes grandes nas edições do jornal, que, mesmo passando por isso, ainda era recolhido nas bancas cariocas por militares insatisfeitos com sua circulação. O fato era que o jornal fora idealizado por gente muito esperta, que conseguia burlar a censura implacável até de dentro da redação.

Veio uma senhora chamada dona Maria, que nós descobrimos que tinha um ponto fraco: gostava de beber. Todo dia a gente botava uma garrafa de scotch na mesa dela e depois da terceira dose ela aprovava tudo. (KUCINSKI, 1991, p.162)

Em 1º de novembro de 1970, depois de publicarem uma charge de Ziraldo mal vista pelo governo, o DOI-CODI invadiu o jornal, prendendo, além do caricaturista, todos que se encontravam na redação do jornal; com exceção do diretor, Tarso de Castro, que escapara pelo muro dos fundos se escondendo numa casa vizinha. A charge era uma caricatura de D. Pedro às margens do Ipiranga proferindo os dizeres ”Eu quero mocotó!!”, ao invés do conhecido “Independência ou morte”. ²

Charge de Ziraldo

Fonte: https://caminhosdojornalismo.files.wordpress.com/2011/05/mocot25c325b32bpasquim.jpg?w=300 (Acesso em 22 de Maio)

Com essas prisões os militares imaginaram que “O Pasquim” sairia de circulação rapidamente. De fato, o jornal levou um baque profundo. Alguns dos autores demonstravam interesse em deixar o Brasil, as tiragens caíram drasticamente devido à censura militar implacável e alguns jornaleiros se recusavam a vender “O Pasquim” com medo da repressão.

Porém o jornal continuou sendo escrito por Millôr Fernandes, Miguel Paiva, Henfil e outros pensadores que escaparam dos militares. E em desafio à autoridade, os criativos escritores inventaram um “redator fantasma” chamado Pedro Ferreti, que escrevia no estilo da “patota” que estava presa. Tentando pegá-lo, os censores cortaram os telefones da redação. Após a descoberta da “brincadeira” a polícia exigia que Tarso de Castro se entregasse. Tarso devido às pressões, inclusive internas dos colegas, acabou por entregar-se ao DOPS e a redação do jornal mudou-se para Copacabana. Tempo difícil para o semanário. Para a publicação, o jornal tinha que obrigatoriamente ser enviado à Brasília para a censura militar, só depois disso voltava e podia ser publicado.

No dia 31 de dezembro de1970 aprisão dos escritores fora revogada e eles voltaram ao jornal como heróis. Mesmo assim, a tiragem de 180 mil jornais foi reduzida nesse tempo para apenas 60 mil, o que diminuiu muito os anúncios publicitários. Muito da crise se dava ao fato de nenhum dos gestores do semanário ter sido apto ao ponto de gerir bem o sucesso que tiveram nos anos anteriores.

No primeiro ano, “O Pasquim” teve um lucro de Cr$ 700 mil e nunca tinha dinheiro. O contador José Grossi tinha um talão de 50 cheques pré-assinados pelo Jaguar e pelo Tarso. Grossi tinha um Alfa Romeo italiano que custava US$ 50 mil. (…) Quem dirigia o jornal no começo era o Sérgio Cabral e o Tarso. Sérgio Cabral deixava os talões assinados e o Tarso gastava tudo. Suítes em hotéis, carro Puma. (KUCINSKI, 1991, p. 168)

Os desgastes entre Tarso de Castro e os humoristas eram constantes. Tarso, em assembléia, decidiu afastar-se do comando, porém deixou sua mulher na direção. Um dia depois disso, ela fora deposta pelos humoristas, que reclamavam da má utilização dos recursos obtidos com vendas e publicidades. Sérgio Cabral assumiu a direção no começo de 1971 até junho. Em setembro de 1972, Millôr Fernandes assume a direção.

O jornal sofria com o fato de não ser mais o único alternativo. Perdera espaço, e isso ainda somado ao milagre econômico que tirou da classe média, principais consumidores do jornal, muito do poder de compra. Além do mais a editora Abril, editora a qual publicava a maioria dos jornais alternativos, cobrava preços salgados dos jornalistas e os obrigava a pagar à vista.

Em1975 acensura prévia foi tirada d’O Pasquim’. Millôr Fernandes fez o editorial da edição 300 que sairia naquela semana. Os militares não viram bem o que ele escrevera, Fernandes acabou sendo fichado no DOPS e depois abandonou a direção do semanário. Nascia ali um outro jornal, muito mais opinativo e promotor de campanhas políticas.

A vendagem continuava a cair e, enquanto isso, os jornalistas eram pegos mais vezes brigando entre si. No fim dos anos 70 e começo dos 80 “O Pasquim” entrava em profunda decadência. Acabaram caindo no clichê do “bom contra o mal” numa época em que já não havia mais tanta repressão nestes termos.

Em 1988 o empresário João Carlos Rabelo comprou de Jaguar “O Pasquim”, que, à época, vendia apenas três mil exemplares em edições quinzenais, não mais semanais; chegava ficar, inclusive, um mês sem sair de vezem quando. Asdividas eram grandes, e os problemas judiciais também.  Já não era um jornal que continha a voz de jovens reprimidos, o que colaborou para a queda e morte do semanário no fim dos anos 80. “O Pasquim” não era mais o que o consolidara, a voz da juventude.

REFERÊNCIAS

¹(http://www2.camara.gov.br/tv/materias/O-PASQUIM—A-SUBVERSAO-DO-HUMOR/164411-O-PASQUIM—A-SUBVERSAO-DO-HUMOR.html) Acesso em 4 de Maio

²KUCINSKI, Bernardo. Jornalistas e Revolucionários. São Paulo: Scritta, 1991. (p. 151-174)

(http://www.webartigos.com/articles/2551/1/Imprensa-Alternativa/pagina1.html) Acesso em 7 de Maio

Publicado em produtos impressos | Publicar um comentário

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

O jornal impresso no Brasil

O jornal impresso no Brasil O primeiro jornal publicado em terras brasileiras, a Gazeta, começou a circular em dez de setembro de 1808, no Rio de Janeiro. Embora a imprensa já tivesse nascido oficialmente no Brasil em 13 de maio, com a criação da Imprensa Régia, seu início foi marcado pela primeira edição do periódico.

(Segundo o sitehttp://opolitizador.com.br,)

 

Figura 2, Foto do primeiro jornal publicado no Brasil a Gazeta

Fonte: http://opolitizador.com.br/?p=7703

Este jornal foi considerado um avanço, pois não era permitida nenhuma circulação de noticia ou panfletos, em terras brasileiras. Com a chegada da família Real as coisas mudaram,foi permitido a circular informações através de um jornal, sendo assim uma coisa que já acontecia na Europa, entretanto as noticias publicadas eram sobre a família real. Mais mesmo sendo um jornal do governo o jornal da “A Gazeta” era editado com censura prévia, que só foi extinta há alguns anos depois.

(…) Alguns meses antes de o governo português publicar seu jornal, Hipólito José da Costa lançou o Correio Braziliense, em primeiro de julho de 1808, impresso em Londres e trazido clandestinamente para o Brasil. Este jornal tinha caráter ideológico, sua função era “evidenciar os defeitos administrativos do Brasil”, como dizia Hipólito. A Gazeta deixou de circular em 1822, com a Independência.

Fonte : Site Opinião e Notícia (http://jornalistasconectados.blogspot.com/2010/02/o-primeiro-jornal-impresso-no-brasil.html

Está citação mostra que o jornal de Hipolito José foi o primeiro jornal a circular no país, mais não era fabricado aqui, era um jornal “estrangeiro”. Consideravelmente as informações chegavam um pouco atrasadas, ou melhor depois de muitos dias do acontecido. No século XX, a capital do Brasil Rio Janeiro, registrou um marco histórico, nasce o primeiro jornal em cores a “Gazeta de Noticias”, seguindo de outros jornais que marcaram: O Globo, Jornal do Brasil e Correio da Manhã. Mais os jornais que exerceram o papel de imprensa brasileira destacaram-se “Estado de São Paulo” e “Folha de São Paulo” e o “Diário de Pernambuco”, de Recife. Através dos jornais brasileiros , que o povo colocava “a boca no trombone”, antes visto como jornais independentes, não tinham medo de escrever contra o governo, ou contra qualquer coisa do poder, os jornalistas em questão defendiam o interesse publico em primeiro lugar. Contudo os grandes meios de comunicação da época passavam por muitas censuras, tendo sempre os seus jornalistas presos e jornais fechados. A época de ouro do jornal veio com a revista “O Cruzeiro”, que vendeu muitos exemplares trazendo assim um pouco de credibilidade a profissão e ao bom jornalismo. Depois de muitas lutas os jornais brasileiros, ficam sendo considerados um oficial de noticias.

(…) Entre 1968 e 1972 os jornais brasileiros entram na fase da “nota oficial” e do pres-release que, muitas vezes, pela dificuldade de se obter informações, ficavam sendo a única fonte de noticia da qual disponham os profissionais de imprensa. Fonte:

( Segundo site http://www.grupoescolar.com/materia/jornalismo_no_brasil.html )

Depois de alguns anos o rádio e a TV, começam a ganhar espaço na mídia, fazendo com que muitos jornais passem por uma reforma estrutural de seus veículos, pois estavam perdendo publico e dinheiro. Isto trouxe também um modo de diferente de fazer jornalismo. Os jornais começaram a inserir fotos e figuras na elaboração das suas editorias.

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Os principais Jornais impresso do Brasil

Os Principais jornais do Brasil

  • O Globo
(Rio de Janeiro) Português  
  • Lance RJ
(Rio de Janeiro) Português – Esportes 
  • Gazeta Esportiva
(São Paulo) Português – Esportes 
  • Diário do Aço
(Ipatinga) Português  
  • Folha de São Paulo
(São Paulo) Português  
  • Jornal dos Sports
(Rio de Janeiro) Português – Esportes 
  • A Gazeta do Acre
(Rio Branco) Português  
  • Jornal do Brasil
(Rio de Janeiro) Português  
  • O Estado de São Paulo
(São Paulo) Português  
  • Notícia Já
 

 

Figura 3, Tabela mostra os principais jornais do Brasil Fonte:

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário